palavras do Guruji

Dani na estrada

viagens pelo mundo afora e pelo universo dentro de mim.



"Você não precisa viajar a um lugar remoto para buscar a liberdade; ela habita seu corpo, seu coração, sua mente, sua Alma. A emancipação iluminada, a liberdade, a pura e imaculada felicidade estão a sua espera, mas você precisa escolher embarcar na jornada interior para descobri-las."
B.K.S. Iyengar em Luz na Vida

8 de abril de 2017

caderninho de notas_2004

Terra Solar Vermelha
Lua Elétrica do ano Mago Espectral Branco

Tinha pensado em acordar muito cedo para comprar castanhas-do-pará no mercado. Não coloquei despertador, mas acordei cedo (nem tanto) e um pouco aflita.
“O que fazer?” Planejando as ações, uma preocupação me beliscou de leve o timo. O Magnólio veio falando de fazer outra entrevista... Faz assim, faz assado. "GENTE, EXCUSE ME, eu tô indo embora em poucos dias..."
Aí lembrei de uma historinha que a Ana me mandou. A mente está sempre (sempre!) no passado ou no futuro. Acalme sua mente, respire, descanse... Faça as coisas atentamente. ATENÇÃO!! Atenção no aqui e no agora, no presente, não tente guardar o sonho, não planeje, apenas deixe as coisas acontecerem e preste 100% de atenção ao agora. “Just be here & now, alert. That’s it!”
Foi o que fiz.
É como se estivesse meditando durante o dia todo... Às vezes perco o prumo e me pego planejando ou me preocupando. “A Era do Gelo é animação, só vai ter criança... Será que é mal eu ir sozinha? Calma minha mente querida e preocupada. Just relax! Acalme-se, tá tudo certo, certíssimo. Filme infantil, a San disse que é lindo, o Gui ama, vai lá, vai!”
Fui. E foi show!
Um menininho muito lindo sentou ao meu lado e foi logo mandando:
“A senhora veio sozinha? Porque eu vim com minha irmã. Vou morar em Roraima. Já vi o filme 3 vezes. Tem um esquilinho. Roraima é legal. Já fui 3 vezes...”
O outro que chegou já com as luzes apagadas e também já tinha visto o filme no vídeo, ficava contando a estória pra mim. E eu morrendo de rir na hora de rir e segurando as lágrimas nas horas de chorar. Felicidade!
Sai e fui comprar verduras para preparar um couscous de almoço. Zanzei pra lá e pra cá, maxixi, cebola, beterraba, quiabo, berinjela... Esmalte, sabonete, pedra pomes, o que? É aquela pedra/lixa que minha mãe ficava esfregando na sola dos pés nas tardes ensolaradas da minha infância. A avó e a manteiga de lata, também comprei.
Fiquei na fila do caixa rápido e um senhor atrás de mim pergunta: “Que horas tem?” Não tenho, mas alguém responde “11 horas”. Ele diz que precisa estar às 11h30 em algum outro lugar, conversamos da minha tatuagem, a moça de trás elogia, muito, a tattoo. Eu ofereço a ele meu lugar na fila, afinal ele tem horário e eu não.
Aí ele começa um papo sobre energia nuclear, sobre evolução, sobre ilusão. “Hã?”
“E de onde vem o senhor pensar essas coisas? Que bom, que sabedoria!" Ele continuou, “no Fantástico passou que a gente só usa 10% do cérebro”, e eu concordei. Eu não podia deixar de dizer: “a gente assim tão insignificante e ainda tem gente com o rei na barriga, né?”
Uau, um senhor interessante aquele! Poucos dentes na boca, só os da frente. Feições de índio, cabelos cinza, baixo e sábio. No supermercado, em Santarém, comprando um shampoo com o nome anotado em um pedacinho de papel. Tinha que ir correndo pro outro mercado procurar um outro produto que não tinha achado no Sandis.
Obrigado! 
Adeus!