palavras do Guruji

Dani na estrada

viagens pelo mundo afora e pelo universo dentro de mim.



"Você não precisa viajar a um lugar remoto para buscar a liberdade; ela habita seu corpo, seu coração, sua mente, sua Alma. A emancipação iluminada, a liberdade, a pura e imaculada felicidade estão a sua espera, mas você precisa escolher embarcar na jornada interior para descobri-las."
B.K.S. Iyengar em Luz na Vida

22 de julho de 2010

yoga nas férias

Aqui vão alguns asanas para praticar nesse fim de férias. As sequências foram preparadas pelos professores do Iyengar Yoga Institute of New York, que fica na 22nd Street em Manhattan (muito bacana!)




14 de fevereiro de 2010

Kumbh Mela Haridwar 2010








É a segunda vez que estou na Índia durante um Kumbh Mela (maior encontro religioso do mundo!). A primeira, em 2001, fiquei apreensiva com as notícias no jornal. Era muita gente: o Maha Kumbh Prayag em Allahabad reuniu 74.4 milhões de pessoas durante o mês de comemorações. Tive uma prévia em Varanasi, onde encontrei alguns Naga Sadhus indo embora, e no trem na ida pra esta cidade, quando acordei na madrugada rodeada por olhos arregalados e vermelhos. Estávamos em duas meninas, sem lugar pra dormir, pouca grana pra contratar um guia indiano... Preferi não arriscar.
Sem planejar, tive a sorte de vir para cá esse ano durante o Kumbh Mela em Haridwar (que fica a poucos kms de Rishkeshi, onde eu estaria). Estava empolgada, mas as datas não estavam coincidindo e as pessoas não pareciam muito animadas. Já estava bem acostumada com a idéia de não passar em Haridwar (pronuncia-se Rariduar), e deixar pra uma próxima: os Kumbh Mela acontecem de 12 em 12 anos em 4 diferentes cidades alternadamente, isto é, mais ou menos de 2 em 2 anos acontece um encontro em um dos 4 lugares.
Sem muitas expectativas – o que é ainda mais legal – descobrimos uma brecha na programação do curso de yoga que estou fazendo em Dehradun (também bem próximo de Haridwar) bem no dia do Maha Shiva Ratri, considerado por muitos o 6º dia para o banho do Kumbh. Aqui vale uma observação: um dos rituais mais importantes durantes as festividades na busca da Imortalidade são os banhos nas águas sagradas dos rios onde acontecem os encontros. E banhar-se durante num dia especial como foi último dia 12 é ainda mais auspicioso!
Lá fomos nós: o casal Marina e Sun, o Scott, um americano que divide a casa em Dehradun com eles, e a Márcia, que está viajando comigo. Combinamos com um taxista e às 8 da manhã estávamos na estrada.
O Governo monta uma mega estrutura e gasta zilhões de Rupias pra manter as festividades em ordem, sem maiores incidentes. Paramos o carro no estacionamento e andamos muito pra chegar na muvuca. Não foi possível assistir ao banho dos Sadhus (resumidamente sao renunciantes considerados homens santos que vivem nus, cobertos de cinzas, como Shiva), mas acabei tomando outro banho no Ganges. Não imaginei entrar na água em Hardwar, mas fazia tanto calor e a gente andou tanto, que não resisti. Entrei com a meia calça de lã e a camiseta que eu vestia por baixo do meu “salwar-kameez”. Como as mulheres costumam entrar na água de roupa mesmo, nem chamei a atenção.
On Namah Shivaya, Shivaya Namah Om!

8 de fevereiro de 2010

Jaya Ganga!

Domingo não temos prática de yoga com a Usha e a sala fica fechada até para a prática pessoal. Holiday: decidimos tomar banho no Ganges! Esperava por esse momento desde a saída do Brasil. Na outra viagem quando conheci Rishikesh estava muito frio, vim pra cá a primeira vez em janeiro. Molhei os pés e nem cogitei entrar na água de tão fria que estava.
Desta vez, vim preparada. Ouvi dizer de quem veio em fevereiro que dava pra entrar, sim. Escolhemos um lugar mais tranqüilo bem pra lá da Laxmi Jula. Um pouco mais longe dos olhares curiosos dos indianos. Levei dois tecidos de algodão longos, um para eu entrar na água enrolada nele (biquíni nem pensar, as mulheres entram na água vestidas) e outro pra me secar.
Mesmo distante das “praias” e ghats mais populares, não deu pra escapar de um grupo de curiosos que foi só nos ver chegando perto da água, pra ficar espiando de trás de uma árvore mais acima do morro. Dei uma olhada pra eles de repente e percebi uma câmera fotográfica apontada pra gente. O rapaz me viu olhando e na hora apontou a câmera para o alto, disfarçando. Eles também usam desse artifício quando não querem ser flagrados nos fotografando. Achei engraçado!
A Márcia entrou de uma vez, sem pensar muito. Eu, por outro lado, preciso entrar em águas muito frias bem aos poucos. Mergulho direto, nem pensar. Primeiro entrei até as canelas, que doeram de frio, e sai. Voltei a entrar e molhar as coxas. Mais umas três investidas molhando os pulsos, pescoço, cabeça e reuni a coragem pra mergulhar. Uau, que delícia!
Voltei a entrar mais algumas vezes até a minha cabeça reclamar da friagem com umas pontadas. Agradeci as águas puras do Sagrado Ganga (em Rishikesh o rio ainda é cristalino de um verde jade maravilhoso!). Pensei nos muitos Rishis, Renunciantes, Buscadores, e nas tantas gentes comuns, assim como eu, que já se banharam e se banham nessas águas todos os dias nos últimos milênios. Pensei em toda a vida que o rio trás e nas muitas impurezas que ele leva. Sorri satisfeita!



3 de fevereiro de 2010

Relatividade do ser

No Dia de Iemanjá (ontem, 2 de fev.) depois da prática matinal fui com a Marcinha até uma área mais reservada das margens do Ganges para fazer um puja para ela. Compramos as oferendas (umas bandejinhas com pétalas de flores, incensos e vela) e escolhi uma pedra dentro do rio para de lá soltar meu barquinho. Acendi os incensos, vela, rezei e fiz minha oferenda.
Depois da missão cumprida, ficamos sentadas na areia lendo um pouco. Bem pertinho, tinha um indiano muito simpático que ao saber que éramos brasileiras, virava e mexia fazia uma pergunta sobre o Brasil. A última, ele prometeu que não perguntaria mais nada, foi sobre Samba. Nice music, foi o que ele disse. Quando nos levantamos pra ir embora, na despedida, ele disse que eu parecia uma indiana nascida no Punjab. Disse que minha pele era mais amarelada, como das indianas. Depois de repetir isso umas três vezes, ele pensou um pouquinho e se desculpando disse que eu não era atraente. Minha amiga, sim, era muito, mas eu era muito parecida as mulheres do Punjab.
Hoje tomei café da manhã no lugar de sempre, fui sozinha. O garçom, que já me conhece e fica todo contente quando a gente vai comer lá, perguntou meu nome e oferecendo sua mão para um cumprimento, disse o dele. Quando eu estava indo embora, ele disse que eu parecia indiana. Repetiu a frase três vezes, pensou um pouco e falou: an indian goddess, you look like! E deu uma piscadinha pra mim.
Parecer com as mulheres indianas pode render situações bem divertidas!

India





Já estou em Rishikesh há alguns dias. Depois de um mês de férias viajando pela Tailândia, Camboja, Laos e Vietnã, retomo a rotina de yoga aqui na Índia. Acordo umas 7h30, me arrumo e desço pra sala de prática, que fica aberta todas as manhãs das 7:30 às 11 para os alunos inscritos nas aulas da Usha. Umas 11 e pouco saiu para tomar masala tea e comer butter nan. Todo dia, o mesmo pedido. Depois vou dar uma volta, fazer puja pro Ganga, ler um pouco, comprinhas.
Estou lendo um livro incrível: Shantaram, de Gregory David Roberts, um australiano que na narra o que ele passou nos anos em que viveu em Mumbai. A princípio, resisti um pouco em começar a leitura. Apesar de todas as recomendações, o livro escrito em inglês tem mais de 900 páginas. Uma tarde, passeando pela Khosan Road em Bangkok dei de cara com um exemplar usado a venda. Me surpreendi quando peguei ele na mão. Apesar de enorme, é bem leve. Vou encarar, decidi. Ainda bem! Tô amando e me sinto conectada com o autor em relação ao carinho com que ele se refere à Índia e aos indianos. Apesar da história maluca que ele viveu por aqui, bem diferente das minhas experiências, compartilhamos esse sentimento e isso é muito legal.

21 de janeiro de 2010

Uma despedida desconcertante



São 23h, acabei de deitar na minha cama da Guest House em Luang Prabang, no Laos, exausta, querendo dormir. Hoje, no fim de tarde, me despedi do Vietnã. Mas a estória desse dia esquisito começou muito mais cedo: às 5 da madrugada com um solavanco causado por uma freada brusca do trem.
Escolhi o beliche de cima, porque sempre gostei de dormir nas alturas. Na ida para Sapa, no Norte do Vietnã, também viajei na caminha mais próxima do teto, na mesma configuração da cabine pra nós quatro.
Saímos de Sapa com o fim de tarde de ontem e passamos a noite no trem. Gostoso, apesar dos trancos e da luz piscante das estações. A imagem da noite é a de ter sido engolida por uma enorme cobra mecânica, barulhenta, que rasgava a noite engolindo as luzes dos postes e o mato na beira do trilho.
Chegamos cansadas logo depois das 5 da manhã, tudo escuro. Pegamos um taxi, negociamos o preço e fomos para o hotel, que ainda estava fechado. Do seu colchonete estendido no chão da recepção, o faz tudo do hotel acionou o controle remoto pra gente entrar e continuou dormindo. Acendemos a luz do banheiro e abrimos a porta. No pequeno espaço na frente do banheiro, onde mais tarde seria montada a única mesa para o café da manhã dos hospedes, organizamos nossas malas e esperamos.
Mas não esperamos pelo café da manhã com os outros hóspedes. Preferi comer um croassant au chocolat amanhecido e tomar um Chai forte a duas quadras do hotel. Bem gostoso! Outro taxi, e rumamos pra região do mausoléu do Ho Chin Mihn, não pra ver o corpo, mas para ir ao Museu de Etimologia de Hanoi, programão.
Nos perdemos entre as histórias das tribos da região e restou pouco tempo para as últimas compras na capital vietnamita. Depois de um delicioso almoço no Green Mango, no coração do Old Quarter, nos dividimos.
Não senti nada quando meu celular foi tirado da minha mochila. Já tínhamos sido alertadas dos batedores de carteira de Hanoi. Andei sempre muito atenta com a mochila devidamente zipada na frente do corpo, mas com a pressa, me descuidei. Naquela tarde usei o I-Phone como vinha usando no último mês, pra calcular o preço em reais de alguma coisa. Me distrai com o dono da loja e o saquinho plástico, a Ana do outro lado da rua apressada...
Duas quadras de lá, reparei a mochila aberta e dei falta do celular. Voltei na lojinha, ninguém viu nada. Senti um bodinho em relação àquele país, me senti mal. Fui atrás de bloquear o celular com a Tim. Só era mesmo o que faltava, além de perder o aparelho, ter ainda que pagar por um monte de chamadas internacionais.
Já no aeroporto de Hanoi, consegui falar com a Tim do celular da Ana. Tudo certo, na volta pro Brasil tenho como recuperar parte dos meus contatos e desbloquear meu número. Entrei no avião da Laos Airlines tentando não pensar no prejuízo, relembrando apenas os bons momentos no Vietnã, que foram muitos em Hue, Hoi An, Hanlog Bay, Sapa, Hanoi... Desconcertante Hanoi!

12 de janeiro de 2010

Sorriso

No dia 9 de janeiro (aniversário do meu querido irmão) não fotografei nada. A câmera nem saiu da mochila. Foi um dia em trânsito. Deixamos Siem Reap no Camboja e fomos pro Vietnã. De avião. Conforto total!
A passagem pelo Camboja foi curta. Também intensa, apesar de não poder dizer que conheci o Camboja de verdade. Só ficamos em Siem Reap, uma cidade mega turística, que se desenvolveu pela proximidade das impressionantes ruínas de Angkor Wat. Me senti em uma ilha no meio de um oceano de país desconhecido.
Chegamos lá saindo de Bangkok de Mini Van até a fronteira, depois de taxi até Siem Reap. Cruzamos a fronteira a pé. Me encantam as fronteiras, lugares meio terra de ninguém. Gosto do leve perrengue de não saber ao certo os próximos passos a tomar. Gosto de sentir o cheiro das gentes do lugar misturado ao dos turistas.
Que eram muitos. Mochileiros europeus, um grupo de motociclistas que cruzaram a fronteira com suas BMW (pai, lembrei de vc!) e alguns tailandeses (por causa de uma disputa por um templo que está em território cambojano, mas a Tailândia clama como seu, apenas são bem-vindos os turistas tailandeses que permanecerem pouco tempo).
Nos próximos dias, aproveitei pra fotografar. Tudo me interessava, tudo rendia uma boa foto! Foi bem curta nossa estada no Camboja, mas deu pra sentir algumas coisas. Senti a pobreza do país no jeito ágil das crianças no comércio, a grande religiosidade da população, um maior recato das mulheres em relação às tailandesas e o que ficou mais evidente: o sorriso fácil das pessoas. Camboja é mesmo o lugar onde um sorriso é sempre, sempre mesmo, correspondido. Achei até engraçado na chegada ao hotel onde tínhamos feito nossas reservas. A recepcionista era toda sorrisos. O rapaz que levou as malas, também. O motorista do tuk tuk, idem. Parecia forçado, mas percebi nos dias seguintes que é assim que eles interagem mesmo. E foi uma descoberta saborosa. Mandei ver nos sorrisos, exercitei um monte e ri pra valer.

8 de janeiro de 2010

Lia San Ray - bye bye in Khmer



Antes de me levantar, anotei mais algumas frases no meu caderninho: Suô soday, Nie so sobay tê? (Hello, How are you today?). Precisei repetir umas dez vezes para pegar o jeito certo da pronuncia. Todos riram muito. Sempre riem muito! E foi mesmo divertido bater papo com aqueles jovens monges dispostos a praticar um pouco de inglês. Falamos - melhor, tentamos - sobre o Brasil e o futebol, sobre meus alargadores, nossas idades, tatuagens religiosas e as oracões.
No último dia do nosso passe para visitar os templos de Angkor Wat, decidimos alugar uma bike e pedalar - muito! - até os que não tinham dado tempo ontem. Valeu muito a pena.
Amanhã, nos despedimos do Camboja e voamos para o Vietnã.

Confira mais algumas fotos no link:

http://www.flickr.com/photos/outras_viagens/

5 de janeiro de 2010

Feliz Ano Novo!



Uma semana fora do ar, tanto pra contar da Tailândia...
Nessa semana, rodamos nas imediações da Khoasan Road em Bangkok. Fizemos um curso de culinária Thai e aprendi a fazer variações vegetarianas de 3 pratos incríveis (Phai Tai, sopa com cogumelos, tofu e a carne do coco, e Green Curry). Lembrei do meu amigo Augusto, chef do Goa, que iria pirar! Recebi também uma foot massage inesquecível. Viajamos pra Koh Tao, uma ilha bem famosa por conta dos picos de mergulho autônomo. Não resisti e fiz o curso. Agora sou uma mergulhadora certificada pela PADI. Tudo de mais lindo nessa vida! Fiz mergulhos deliciosos.
O Reveillon foi tranqüilo. Passamos a virada do ano na praia próxima a nossa pousada. Enquanto o povo “raveiro” (bons tempos os meus) se acabava de tanto dançar na Experience de 3 dias em um morro ali ao lado, eu e minha turminha soltamos nossos pedidos e agradecimentos em balões coloridos. O céu ficou todo iluminado de sonhos!
Feliz 2010!
Amanhã, caímos na estrada novamente. Vamos pro Camboja, de Mini Van até a fronteira e taxi até o destino final: Siem Reap, pra visitar Angkor Wat. Estamos em 4 agora: Ana, Fê, Paula e eu. Mais pra frente conto mais.