palavras do Guruji

Dani na estrada

viagens pelo mundo afora e pelo universo dentro de mim.



"Você não precisa viajar a um lugar remoto para buscar a liberdade; ela habita seu corpo, seu coração, sua mente, sua Alma. A emancipação iluminada, a liberdade, a pura e imaculada felicidade estão a sua espera, mas você precisa escolher embarcar na jornada interior para descobri-las."
B.K.S. Iyengar em Luz na Vida

29 de janeiro de 2012

O Rei dos asanas: Sirsasana

As invertidas (lê-se Salamba Sirsasana e Salamba Sarvangasana) são posturas muito importantes, apesar de difíceis de fazer. Segundo Geetaji em seu livro Yoga, a gem for women, “é essencial dominar as invertidas e suas variações para tornar nossas vidas materialmente e espiritualmente bem sucedidas. Elas podem ser comparadas a nossos pais que nos ajudam, nos guiam e fazem de nossas vidas um sucesso.” Salamba Sirsasana é considerado o pai, enquanto que Salamba Sarvangasana, a mãe. Antes de aprender Sirsasana, a invertida sobre a cabeça, devemos saber fazer Sarvangasana, a invertida sobre os ombros.

Sirsasana é Tadasana de cabeça para baixo e uma das maneiras de se aprender Tadasana é de costas para parede. Da mesma forma, o iniciante pratica Sirsasana inicialmente contra a parede para aprender o alinhamento e as ações sem se preocupar com o equilíbrio. Uma opção para quem sente medo nas posturas invertidas é praticar Sirsasana em uma quina de parede, assim o corpo mantêm-se mais facilmente perpendicular ao chão. Com o ganho de força e amadurecimento das ações, começamos a nos afastar da parede, experimentando o equilíbrio até poder permanecer no meio da sala por alguns minutos. Finalmente, quando conseguimos permanecer estáveis na postura por alguns minutos, somos introduzidos às variações do ciclo de Sirsasana. 
A invertida sobre a cabeça produz as mais variadas reações nos alunos, tem os que no primeiro dia já querem pular etapas e ir direto pro meio da sala e outros que não largam a parede em anos e anos de pratica. Essa é uma das razões de ser fundamental praticar acompanhado de um professor experiente, que conhece sua pratica e pode te guiar tanto pra parede como pra fora dela. 
Na variação nas cordas podemos permanecer por mais tempo, nos beneficiando ainda mais com os efeitos de Sirsasana (leia texto abaixo). E a postura feita nas kuruntas deixa todo mundo fascinado! Respeitando as contra-indicações (leia texto abaixo) e observando as condições gerais de cada aluno iniciante, acho importante apresentar a postura nas kuruntas antes de praticá-la no meio da sala, o que requer mais tempo de pratica e amadurecimento.
Sinto que guiando cuidadosamente cada aluno iniciante tanto para entrar na postura como na saída das kuruntas,  os ajudo a perder o medo de ficar de ponta cabeça de uma maneira lúdica. 
aula do sábado 21/01
olha só o sorrisão do meu afilhado em Sirsasana na kurunta!

a primeira vez a gente nunca esquece!
 
Benefícios de Sirsasana:

Traduzido do livro Yoga, a gem for women, de Geeta Iyengar

Sirsasana é chamado de “O Rei dos Asanas”. Como o rei governando seus súditos, o cérebro governa os numerosos sistemas do corpo. Ele é o controlador do intelecto, da vontade, da memória, da imaginação e do pensamento. A origem dos três gunas é no cérebro e a cabeça é o centro da qualidade sáttvica. Ele controla o intelecto e a discriminação. Por isso, um cérebro dominado por sattva pode funcionar com clareza.   
Sirsasana estimula o abastecimento de sangue no cérebro e o torna fresco e saudável. Esse sangue ativa as glândulas pituitária e pineal, que afetam na saúde, vitalidade e desenvolvimento do nosso corpo. É um dos asanas mais revigorantes.
A pratica da invertida sobre a cabeça, se corretamente executada, rejuvenesce e revitaliza todo o corpo. A posição de cabeça pra baixo contrapõe os efeitos da posição normal de cabeça pra cima nos órgãos internos, que têm a tendência de colapsar e assim se tornar mais lentos e preguiçosos. Sirsasana gentilmente os leva a uma nova vida.  
O corpo se mantém morno com o aumento da circulação sanguínea, a hemoglobina do sangue aumenta e a respiração e a digestão melhoram.

Algumas doenças simples como resfriados, tosses, garganta inflamada e dor nas costas são curadas com a pratica de Sirsasana.
Entretanto, os maiores efeitos da invertida sobre a cabeça são no cérebro, e qualquer um sofrendo de cansaço, de perda de vitalidade física e mental, de intelecto pobre e de baixa força de vontade, deve praticar Sirsasana religiosamente e regularmente para ganhar clareza e força mental e intelectual.  
Resumindo, Sirsasana desenvolve o corpo e disciplina a mente pra nos tornarmos equilibrados.


Cuidados e contra-indicações: a prática constante de Sirsasana mal feito, sem as ações e alinhamento corretos, pode machucar o pescoço ou acentuar problemas já existentes. Observe também as contra-indicações: pessoas com pressão alta nos olhos (Glaucoma), problemas nos ouvidos e na coluna cervical (pescoço), pressão sanguínea alta (que não toma medicação) e mulheres no período menstrual não devem praticar a postura.

E lembrem-se, pratiquem regularmente com um professor! 




21 de janeiro de 2012

O anel de Rama


"The Book of RAM", inspiradora leitura
Um dia, Rama foi informado que estava na hora dele morrer e que Yama, deus da morte, não conseguia alcançá-lo porque temia Hanumam, que protegia os portões do palácio real. Rama precisava distraí-lo. Então Rama jogou um anel em uma fenda no chão do palácio e pediu para Hanumam ir buscá-lo. Com seus poderes, Hanumam reduziu seu tamanho a de um inseto e entrou na fenda apenas para descobrir que estava em um túnel, uma passagem para a terra das serpentes, Nag Lok. Hanumam encontrou Vasuki, o rei das serpentes, e o informou de sua missão: achar o anel de Rama. Vasuki o guiou à entrada da sala dos anéis, onde haviam centenas de milhares de anéis, “certamente você encontrará o que procura aqui”, completou. Hanumam encontrou o anel e percebeu perplexo que todos os anéis da sala eram cópias fiéis do de Rama e foi perguntar a Vasuki o que aquilo significava. À essa pergunta, Hanumam ouviu como resposta: “Esse mundo em que vivemos passa por ciclos de vida e morte. Cada ciclo de vida do mundo é chamado de Kalpa. Cada Kalpa é composta por quatro Yugas ou quartos. No segundo quarto ou Tret Yuga, Rama nasce em Ayodhya. Um dia seu anel cai da terra no reino subterrâneo das serpentes através de um túnel. Um macaco segue o anel e Rama morre. Assim tem acontecido por centenas de milhares de Kalpas. Todos esses anéis são testemunhas disso. E olhe, existem salas vazias em Nag Lok esperando pelos anéis dos futuros Ramas.” Hanumam então percebeu que esse tinha sido o jeito que Rama encontrou para falar que ele não poderia impedir a morte de vir buscá-lo. Rama morreria. O mundo morreria. Mas como todas as coisas, Rama renasceria toda vez que o mundo renascesse. De modo que seria para sempre.

Lindo, não? 


Rama entre Lakshamana e Sita, Hanumam ajoelhado


Eka-vachani, Eka-bani e Eka-patni
Ele é Eka-vachani, um rei que sempre mantém sua palavra; Eka-bani, um arqueiro que sempre atinge seu alvo com a primeira flecha; e Eka-patni, um marido que é eternamente e absolutamente devoto a uma única esposa. Ele é maryada purushottam Rama, o supremo sustentáculo dos valores sociais, o rebento do clã Raghu, jóia da dinastia solar, o sétimo avatar de Vishnu, Deus que estabelece ordem na vida mundana. Os Hindus acreditam que em tempos estressantes e tumultuados cantar o nome de Rama e ouvir seus contos, o Ramayana, traz estabilidade, esperança, paz e prosperidade. Injuriado por feministas, apropriado por políticos, Rama continua sereno em sua majestade, a única deidade Hindu adorada como um rei.


Rama é real? Para os Hindus, ele é.
Por toda Índia existem lugares associados a vida de Rama — Ayodhya em Uttar Pradesh onde ele nasceu, Chitrakut, também em Uttar Pradesh, onde ele permaneceu nos primeiros anos de seu exílio na floresta, Panchavati em Maharashtra de onde Sita foi seqüestrada, Hampi onde Rama conheceu Hanuman, Rameshwaram em Tamil Nadu de onde ele construiu uma ponte até Lanka e Rishikesh onde ele executou penitência para espiar o crime de matar Ravana que embora demônio, também era brâmane de nascimento. As datas do nascimento de Rama, da sua vitória sobre Ravana e do seu retorno a Ayodhya são conhecidas e celebradas como os festivais Rama Navami, Dusshera e Diwali. Mesmo o horóscopo de Rama é conhecido dos astrólogos; ele mostra todos os sinais de Rama sendo um grande homem. Isso tudo faz de Rama uma figura histórica? Sim, para os Hindus faz. Mas a noção de História para os Hindus é bem diferente da noção popular de História, como nos mostra o episódio de um Rama-katha popular narrado acima.

Traduzido de trechos do excelente “The Book of RAM”, escrito por Devdutt Pattanaik www.penguinbooksindia.com

Hanumam