palavras do Guruji

Dani na estrada

viagens pelo mundo afora e pelo universo dentro de mim.



"Você não precisa viajar a um lugar remoto para buscar a liberdade; ela habita seu corpo, seu coração, sua mente, sua Alma. A emancipação iluminada, a liberdade, a pura e imaculada felicidade estão a sua espera, mas você precisa escolher embarcar na jornada interior para descobri-las."
B.K.S. Iyengar em Luz na Vida

26 de dezembro de 2009

até já Délhi

No parapeito atrás da tela empoeirada da janela do banheiro do quarto no Asian International Hotel, descobri uma pomba chocando dois ovos. Nessa manhã, descobri serem dois ovinhos e duas pombas. Cúmplice agitacão na troca de turnos. Silencio paciente em seguida. Até mais pombinhas!

Está muito suja!

Nossa primeira parada é Délhi, ponto de partida rumo ao Norte da Índia na 2ª parte da viagem. Chegamos ontem quase à meia noite e aproveitamos o dia para descansar das últimas 24hs passadas com o corpo apertado em poltronas de aviões ou de aeroportos.
Também demos uma volta a pé em Connaught Circus, área central da capital indiana cheia de lojas, restaurantes e um bazar de pechinchas literalmente undergroud (embaixo da praça perto do metro).
É sábado e o gramado, perto das escadas que dão acesso ao bazar, estava cheio de gente. Muitos rapazes batendo papo, uma ou outra dupla de amigas dando risada. Resolvemos sentar perto das únicas meninas que encontramos, tentando nos misturar na multidão. Não conseguimos. Antes de sentar na grama já apareceu um rapaz de pele bem escura oferecendo para lustrar nossos sapatos. Tênis de tecido, esses não dão pra limpar, falou. Sentamos. 2 segundos depois, chegou outro rapaz mais claro. Passado o papo introdutório padrão: which country? First time in Índia? How long in Délhi? Ele abriu um caderninho com um monte de páginas escritas e foi me mostrando. Esse é o meu trabalho... Li em vários bilhetinhos diferentes: o fulano - em pé a minha frente - é meu amigo e faz um excelente trabalho, com muito cuidado. Uma excelente pessoa... Não resisti: mas qual é o seu trabalho, perguntei. Sou limpador, limpador de orelhas!
Em seguida, ele tirou um montinho de fotos plastificadas do bolso. Clientes japoneses, um que podia ser canadense... Foi só eu pensar não tem nenhuma menina, que, por último, tinha a foto de uma turista loira sorridente enquanto sua orelha esquerda passava por uma geral.
Achei bem engraçado a situação, fazer a higiene pessoal é uma coisa meio íntima no meu país, pensei em dizer. Além disso, cresci ouvindo do meu pai que é otorrino os perigos de se machucar os ouvidos até com cotonetes. O que diria ele sobre o instrumento usado para dar uma geral por dentro das minhas orelhas?
Só agradeci, disse que não queria. Não deu tempo, porém, de escapar de uma olhadela minuciosa, mas, segundo ele, sem compromisso e rodeada por alguns curiosos. O pior foi ouvir no final, na última tentativa do limpador de orelhas de me convencer: It’s very dirty!

McDreams





Deixando de lado todas as críticas ao sistema de produção do McDonald’s, sempre gostei de comer lá estando na Índia. Especialmente em Délhi. Além de ter um Veggie Burger bem honesto, a lanchonete é um campo neutro, onde, fora um único funcionário que pediu para a Ana nao fotografar lá dentro, mais ninguém veio falar com a gente. E nao ter ninguém rodeando depois de uma voltinha por Connaught Circus é tudo que eu mais quero nesse mundo!
Devoramos nossas batatas, planejamos os próximos dias da viagem folheando o Lonely Planet da Tailândia e mergulhamos no sonho McGenteFeliz indiano. Até tomei uma Coca-Cola pra variar.

15 de dezembro de 2009

agradecer sempre!

Depois de três anos, celebramos no último sábado nossa formatura no curso de formação de professores de Iyengar Yoga ministrado pelo Kalidas. Viva! Tenho tanto a escrever sobre isso... Mas por enquanto, adianto algumas imagens.
Foi muito lindo! Obrigada Kalidas, obrigada companheiros de Formação, obrigada B.K.S. Iyengar (ontem ele completou 91 anos, parabéns!!!!!!!). Obrigada Kirtanarama, os kirtans foram belíssimos!







10 de dezembro de 2009

Yoga e Futebol

No último workshop da Formação em Iyengar Yoga, o Kalidas, nosso professor, propôs uma discussão interessante: por que seguimos e estudamos os Yoga Sutras de Patanjali se somos hatha yoguis? 1º fomos procurar no livro clássico os aforismos que fizessem referência aos asanas. Achamos 2 ou 3, bem poucos em relação ao livro todo (aproximadamente 195 sutras).
Ontem em uma conversa com o professor Pedro Bara, ouvi uma explicação que vale reproduzir aqui. Assim absorvi: haveria dois motivos principais.
O primeiro seria mais relacionado ao próprio B.K.S. Iyengar e a necessidade dele de validar seus insights e experiências ao longo desses 75 anos de prática ininterrupta, se utilizando do grande clássico do assunto – os Yoga Sutras de Patanjali. Segundo Faeq Biria, professor Sênior responsável pela Certificação no Brasil, B.K.S. Iyengar é o mais tradicional e ao mesmo tempo moderno yogui da atualidade. Ele iluminou e atualizou um conhecimento de mais de 2 mil anos.
O segundo motivo tem a ver com o título desta postagem. Yoga, assim como futebol, tem várias escolas, onde existem diferentes táticas e técnicas, como Hatha Yoga, Bhakti Yoga, Jnana Yoga... Cada linhagem possui seu próprio livro de regras específicas. No Hatha Yoga, por exemplo, um desses livros é o Hatha Yoga Pradipika que ensina as diversas técnicas específicas dessa escola de Yoga, como as posturas, as técnicas de respiração, kriyas etc. Nesta analogia com o futebol, os sutras de Patanjali seriam nossas regras gerais do assunto, onde aprenderíamos qual é o Gol do Yoga, seu caminho e meta.
Achei muito bacana!

30 de novembro de 2009

A arte de descansar


Silêncio

Amanhã entramos em Dezembro, último mês de 2009. Os finais de ano são sempre uma loucura! Não entendo bem o porquê, mas fico ansiosa sentindo que não vou dar conta de fazer tudo antes do Natal e da viagem de fim de ano.
Voltemos uns dias no tempo...
Novembro passou voando. Fiz tanta coisa! Pratiquei muitas posturas invertidas; fiz workshops; dei aulas; fui voluntária na Certificação dos meus amigos, participei de mais um fim de semana da formação...
Na produtora também: filmamos, recebi a diretora de fotografia e a assist. de câmera em casa, entregamos algumas másters...
Ufa, tô precisando permanecer mais tempo em Halasana e aprender a arte de descansar!


Ana, Marcia e Carla em Savasana no intervalo do Intensivo com o Arun

25 de novembro de 2009

Arun

Hoje começou o curso com o professor indiano Arun no Yoga Dham, aqui em SP. E o 1º dia foi muito bacana! Trabalhamos em um monte de variações de asanas feitos com a cadeira. Sensacional! Ele continua ministrando aulas até 6ª feira, dia 27, e um workshop no final de semana. Vale muito a pena fazer ao menos uma aula ou um dia de workshop. Liga lá e se informe: 11.3875.1079

aqui vai uma pequena prévia do que a gente fez (sem contar as repetições e as incríveis variações):
Uttanasa
Utthita Trikonasana
Virabhadrasana II
Resting Uttanasana
Virasana
Virabhadrasana II
Sirsasana – Adho Mukha Svanasana – Uttanasana
Parsa Virasana
Setubhandasana
Intervalo de 15’
Pavana Muktanasana
Yoga Mudra em Vajrasana
Uttana Padasana modificado
Bakasana
Bharadvajasana II
Pasasana
Karnapidasana
Janu Sirsasana
Supta Pavana Muktasana


giu, analu, jo e lu no intervalo


dani, giu, carla, analu e jo


dani na estrada e arun

13 de novembro de 2009

motos e eu

A Ana comprou uma moto, uma Harley Davidson 883R (HD 883R como disse meu pai no blog da Caltabiano http://www.caltabianomotoclub.com.br/2009/10/a-minha-primeira-moto-2/) e estou curtindo a maior seção nostalgia.

30 de outubro de 2009

Marina Chaselon

Praticar Iyengar Yoga com Marina Chaselon em Buenos Aires foi uma experiência transformadora. Ouvi falar muito bem dela antes de ir para lá, mas fazia uma idéia muito diferente. É engraçado como nossas expectativas nunca convém com a realidade.... Consciente disso, viajei pra Bs As com bem poucas expectativas.
A idéia era aproveitar as tarifas baixas para Argentina passando um final de semana prolongado na capital portenha praticando com uma experiente professora de Iyengar Yoga. No mínimo, pensei, a cidade é lindíssima na primavera, eu preciso mesmo e uns dias de férias e fazer 2 aulas de yoga por dia é perfeito!
O clima estava ótimo mesmo e depois da 1ª pratica com a Marina me dei conta que as expectativas seriam superadas. Foi sensacional e até prolonguei a minha estada lá para a semana inteira.
O esquema do estúdio já é bem interessante. Funciona assim: no site (http://www.yogamarina.com.ar/), ela disponibiliza os horários das aulas nível I. O aluno novo precisa chegar 15 minutos antes de uma aula de Iyengar I começar para falar com ela. Os novatos no método, precisam assistir o começo da aula. Os mais experientes em Iyengar Yoga podem fazer a prática e logo que termina, a Marina diz em quais aulas podemos praticar e nos passa os horários da semana. Tem até 3 aulas por dia, exceto domingos e feriados (o legal pra quem vai ficar pouco tempo é fazer duas por dia). Todas as aulas são ministradas pela Marina e existem 5 diferentes níveis, com durações específicas (classe suave ou Intro, Iyengar I, II, III e IV). Assim, depois da primeira aula, montamos juntas o cronograma da minha semana de prática.
Fiz todas as aulas, exceto Iyengar IV, e amei todas. A Marina tem uma consciência corporal sensacional e sabe muito de Iyengar Yoga. Do cantinho da sala, ela dá as instruções e observa atentamente os alunos, que ela chama um a um pelo nome. As aulas são lotadas (a sala é bem grande) e mesmo assim ninguém passa desapercebido. Muito bacana!
Outra coisa que me chamou a atenção foi que ela ensina a usar um monte de props e todo mundo faz uso deles. Parece um parque de diversão! Ela até incrementou e desenvolveu alguns materiais. O suporte para Adho Mukha Vriksasana (parada de mãos), o de Pincha Mayurasana e o para estendermos mais as pernas nas posturas de pé são meus favoritos. Usei e abusei!
Reparei também que ela tem uma legião de alunos antigos e assíduos. Vi algumas caras todos os dias e até duas vezes no mesmo dia. Muito legal!
Agora, pra saber mais, só indo pra lá.


Parque de diversão temático: Iyengar Yoga


Foi a Marina quem tirou a foto dos brasileiros contentes

26 de outubro de 2009

25 de outubro de 2009

ciclo de grandes conciertos

Sábado em Buenos Aires. Fizemos uma aula de manhã, muito boa, por sinal, e tiramos o resto do dia pra passear, fazer alumas comprinhas e ouvir boa música. Fomos a um concerto de graça na "Facultad de Derecho" na Av. Libertador. Lindo, lindo lindo!



23 de outubro de 2009

veg que te quero veg

estou adorando Palermo, tem um restaurante vegetariano a cada 2 blocos. ontem almoçamos tarde no Bio Orgânico, delicioso! hoje, entre uma prática e outra, fomos conhecer o buenos aires verde. também bem pertinho e bem gostoso. e foi a maior comilança! pedi tofu grelhado, com arroz com cogumelos e purê de abóbora. quando chegou os pratos, misturamos tudo. experimentei o risoto da Agnes e peguei um montão da polenta do Léo. a Ana não quis experimentar a comida de ninguém e nem conseguiu comer toda a salada com quinua que ela pediu!



22 de outubro de 2009

buenos aires mi amor!

estive muito acupada, trabalhando bastante, e por isso estou em falta em relação as atualizações do blog. consegui tirar uns dias de folga e resolvemos viajar, cair na estrada. cá estou de volta, thanks gods!

chegamos em Buenos Aires ontem umas 23h. aqui não tem horário de verão e ganhamos uma horinha a mais para dormir hoje de manhã. delícia! estamos hospedadas no Solar Soler, um bed&breakfast maravlhoso em Palermo, pertinho do estúdio da Marina Chaselon, com quem viemos praticar. agradeço a querida Karina pela dica: o Solar Soler é muito bacana! é uma casarão antigo tranformado em pousada, limpinho, lençois cheirosos, banho incrível, passarinhos e um café da manhã muito bom!



o dia está lindo, mapinha na mão, vamos passear!





Nossa primeira prática é só à noite, mas já demos uma passada no estúdio para aprender o caminho. a Marina disponibiliza os horários de Iyengar I no site. a primeira aula deve ser nesse nível e depois ela monta um cronograma de aulas de acordo com as possibilidades do aluno. É preciso chegar uns 15 minutos antes da aula começar para conversar com ela. estou bem ansiosa para conhecê-la!



marca registrada de Buenos Aires, os passeadores de cachorros estão em toda parte!

6 de setembro de 2009

sobre felicidade, cachorros e crianças

Em um dos meus aniversários de criança, minha tia irmã da minha mãe me presenteou com um tipo de pergaminho para pendurar na parede. Nele, a figura de uma menininha vestida de azul — era uma personagem bem conhecida que ilustrava muitos dos papéis de carta da minha coleção e que tinha a cabeça, com os cabelinhos castanhos claros, do formato de uma cebola. Logo abaixo da figurinha simpática, a frase: A felicidade se encontra nas pequenas alegrias!
Durante boa parte da minha infância, de manhã cedinho — sempre fui a madrugadora da família — abria os olhos e curtia aquela preguiça gostosa lendo a receita da felicidade plena. Eu ficava repetindo enquanto o sono ia embora. Era quase um mantra, mas na época ainda nem sabia o que era isso.
Depois de crescida, conheci Yoga. E um dos aforismos do livro clássico Yoga Sutras de Patanjali fala exatamente da mesma coisa. Me identifiquei na hora. Santoshad anuttamah sukha labhah (a observância do contentamento, ou alegria, constante conduz a superlativa felicidade) escrito em devanágari, a escrita antiga, virou uma das minhas tatuagem. Marquei o corpo pra continuar entoando meu mantra em cada movimento que faço.
E a felicidade plena está mesmo nesses momentos alegres. Momentos como estes, em casa em uma 6ª feira tranquila, brincando com a Ana, meus cachorros e meu sobrinho lindo!


27 de agosto de 2009

besteirol

Atenção: nunca tente fazer isso sem o acompanhamento de um adulto!
Eu sei, eu sei, não é nada politicamente correto, bem besta até, mas vale umas risadas da atuação do alemão. Com vcs mais um videozinho que uma amiga mandou "não as use... ...equanto dirige"

video

tradução: 10 drogas, vc não deve tomar quando dirige um carro. A última legenda diz: todas juntas.

24 de agosto de 2009

abraçou hoje?

Este vídeo já circulou a internet, mas recebi hoje novamente de uma amiga querida e achei legal postar aqui. É tão bacana! Participei de um retiro de yoga em julho último com uma professora americana incrível, uma verdadeira mestra, chamada Karin O'Bannon. No último dia, no final de uma prática de asanas, ela dizia o quão extrovertidos lhe pareceram os brasileiros, gente que se abraça com a maior facilidade, se beija... Agora, me peguei pensando neste filminho e no medo que as pessoas — sim, os brasileiros calorosos — estão de pegar a gripe suína. Não dá pra entrar na paranóia e se trancar em casa até o verão chegar e levar o perigo da gripe embora, concorda? Então, tomemos nossas precauções, lavemos as mãos, mas não paremos, jamais, de abraçar, que é tão gostoso!

video

17 de agosto de 2009

yoga pela paz

Depois de um jejum de 4 meses, tomei vergonha na cara (minhas amigas Nic e Carli já não aguentavam mais o clipe Stand By Me da última postagem) e selecionei algumas imagens do Yoga Pela Paz, que aconteceu no último domingo no parque do Ibirapuera.
Cheguei pra meditação coletiva, que já tinha começado. Arranjei um lugarzinho ao sol — um baita sol por sinal — me sentei e fechei os olhos. Inspirando, expirando, luz cor de rosa em todo canto... Assim sentei por uns 15 minutos. Aos poucos as pessoas foram se levantando com a apresentação de mantras da banda Maha Bandha logo depois da meditação. E em seguida, o gramado se transformou em uma enorme pista de dança. Todo mundo embalado pela banda Shaman's Dream e pelo DJ Drez. Foi delicioso: o pé na grama geladinha, o vento que soprava bem quando o sol apertava, o astral das pessoas que tinham acabado de praticar yoga e meditação. Muito bacana!









27 de fevereiro de 2009

Em Pune



Não que eu não goste da companhia das minhas amigas — eu adoro e tudo fica mais fácil em turma —, mas passar o dia sozinha em Pune pode ser muito interessante (pra uma boa Geminiana, alguns dias já bastam!).
Sai da aula da Rajlakshimi (uma professora ótima!) às 9:30. Demos uma embaçada pra tirar fotos com ela, ver direitinho a altura das kuruntas na sala de prática... Depois água de coco e papo com as amigas. Com umas combinei de nos encontrarmos na biblioteca mais tarde; outra, perdeu a carteira com cartão de crédito e suas Rúpias...
Me despedi e fui trocar dinheiro no banco pela última vez – a viagem já está acabando! Anotei 10:30 no caderno de controle de segurança. Às 10:35, eu já tinha saído de lá. O banco estava abrindo e eles ainda não tinham o valor do dólar do dia, me pediram pra esperar 30 minutos. Como 30 minutos nem sempre são 30 minutos aqui na Índia, resolvi voltar mais tarde.
Desci a FC Road para trocar meu livro “Yoga for Children” que comprei com páginas a mais. Nem precisei explicar muito, o responsável que estava espanando os livros em uma estante (a loja também tinha acabado de abrir), logo falou pra eu trocar por outro sem defeito. Ele pegou o que eu tinha levado e recolocou na pilha para ser vendido pra outra pessoa (com defeito mesmo) e me deu um outro exemplar. Conferi as páginas, agradeci e fui embora.
Antes de parar em uma internet, parei no Vaishali (mesmo restaurante que vim ontem à noite comer Masala Dosa). Ouvi dizer que o Veg. Burger daqui (Rs. 30, o equivalente a R$ 1,5) é delicioso e vim conferir.
Pão de hambúrguer, uma fatia de cebola grande crua por baixo, uma pastinha verdinha que acredito ser um chutney de coco apimentado, beterraba em pedaços pequenos, Catchup docinho, fatias de tomate e pepinos. Tudo de bom!
Bebi Lime Juice Soda (água com gás com suco de limão espremido – Rs. 20). O Vaishali vive lotado. Parei para almoçar às 11h (acordo bem cedo e fico logo com fome) e os dois salões cobertos estavam cheios. Ontem no jantar, estava ainda mais cheio (tinha gente também na cobertura que fica ao ar livre e é impossível durante o dia por causa do calor).
E eu era a única ocidental no restaurante. Muitas mesas com grupos de amigos bem jovens, outras com duas ou três mulheres bem arrumadas, outras com homens de negócios. Alguns com roupas ocidentalizadas, outros, não, mas todos indianos. O Vaishali é referência entre s pessoas que vivem aqui.
Outro dia, a Jayashree, dona da casa onde estou hospedada, me convidou para jantar com ela e seu marido. Me serviram Dosas. E estavam uma delícia! A cozinheira que trabalha para ela há mais de 20 anos e também dá uma geral no meu quarto todos os dias, não parava de me trazer Dosas quentinhas... e eu comendo sem parar. Em um dado momento, elogiei a comida e falei para ela que as suas Dosas eram melhores que as do Vaishali. A Jayashree traduziu para a cozinheira e ela ficou muito vaidosa! Me serviu ainda mais vezes!

vídeo do aniversário do Iyengar

video

Aqui está uma versão bem pequena do DVD que entreguei ao Guruji com um pouquinho do que aconteceu na comemoração do aniversário de 90 anos dele na A Macaca, em São Paulo.
Nessa versão sem definição nenhuma (está um horror!!!), acho que o primeiro lettering está ilegível. Está escrito Arrival at A Macaca Studio. O filme também está espremido (as imagens estão mais compridas do que na versão original).

24 de fevereiro de 2009

Guruji

Início da semana 2
Não imaginei que ficaria tão nervosa no primeiro encontro com B.K.S. Iyengar. Já tinha o visto antes na biblioteca e na sala de prática, mas não tinha sido apresentada a ele...
Estávamos na secretaria falando com o Mr. Chandru, quando o Guruji entrou na sala para falar com ele também. Fiquei meio sem ação e não deu tempo de fazer nada, porque ele logo saiu da sala.
Virei pro Chandru decepcionada e disse que ficava sem graça, sem saber como fazer a reverência. Ele nos levou pra perto do Guruji pra nos ensinar. Primeiro demonstrou e nos convidou a fazer o mesmo. Fomos lá: as brasileiras Ana e Renata, a peruana Marieta e eu. Ajoelhamos no chão para tocar os pés dele. Ele estava super sorridente.
Falamos que éramos do Brazil e que estávamos muito emocionadas... e ele respondeu: God Bless you all, com um sorriso largo, meio sem graça também.
É impressionante como a presença dele é forte. Ele não é muito grande, mas sua figura passa todo conhecimento dos mais de 75 anos de pratica diária.
A primeira vez que a Marieta encontrou com ele no corredor do Instituto, não parou de chorar. Eu também me emocionei, fiquei tão nervosa que me esqueci da câmera fotográfica que estava na minha bolsa.
Início da semana 4
Todos os dias, Guruji fica na biblioteca das 15:30 as 18:00. É muito gostoso ficar ali também consultando um dos muitos livros das estantes, fazendo anotações, convivendo um pouquinho com ele.
Na última 2ª feira, passei uma hora e pouco lá. Eu queria dar uma olhada em um livro que tinha visto em outra visita a biblioteca e também entregar o DVD com o filminho sobre as comemorações do aniversário dele no dia 14 de dezembro na “A Macaca” em SP. Em SP, comecei a editar, mas acabei trazendo trabalho pra fazer aqui. Só terminei na 3ª semana (na verdade, ainda acho que poderia ficar bem melhor, mas precisava por um ponto final, pra poder queimar o DVD, testar no aparelho do Chandru, entregar em mãos pro Guruji...)
E mais uma vez, fiquei nervosa, na biblioteca com o DVD na bolsa. Escolhi o livro e esperei uma oportunidade quando o Guruji não estava tão ocupado e fui até lá. Entreguei o DVD, ele ouviu o que eu tinha a dizer, leu o que eu tinha escrito na capinha, sorrio agradecendo e voltou a trabalhar. Eu voltei pro meu lugar na mesa feliz da vida: missão cumprida.
O Mr Chandru, um dos secretários do Instituto, é quem cuida dos DVDs produzidos na casa. Ele assistiu o filminho e me pediu uma cópia. Dei uma cópia pra ele e fiquei satisfeita. Deve ser legal ver como é a prática em outros países...
Em uma próxima oportunidade, posto o vídeo que dei pra ele. Até!

bichos queridos